Historia do Dono da Tramontina

História do dono da Tramontina – A Tramontina é uma empresa do ramo metalúrgico, a qual é situada na cidade de Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul. A companhia é, nos dias de hoje, uma das mais importantes de todo o Brasil, com atuação em todos os estados e 10 unidades de fábrica espalhadas: são oito no seu estado de origem, na região Sul, um no estado do Pará, na região Norte e outra em Pernambuco, na região Nordeste.

Possui mais de 100 anos de atuação, tendo em vista que foi fundada no ano de 1991, pelo empresário Valentin Tramontina. Atualmente possui mais de 8 mil funcionários, entre operários fabris e empregados administrativos. Produz uma grande variedade de produtos, entre talheres, panelas, facas, ferramentas, ferramentas elétricas, móveis de plástico e de madeira, equipamentos para jardinagem, dentre vários outros.

Apesar de sua grande importância atual para a economia brasileira, a Tramontina possui uma história com várias nuances, fazendo com que algumas pessoas divulguem versões pouco críveis de sua fundação. Há pouco tempo atrás, viralizou na internet uma históia sobre Valentim Tramontina, o fundador da empresa.

Esta você pode ver a seguir!

 

Boato sobre a História do Dono da Tramontina

Como falado anteriormente, não há nenhuma certeza sobre a veracidade da história que será contada a seguir. Na verdade, alguns “detetives” da internet pesquisaram a fundo e descobriram postagens mais antigas com a mesma história, mas sem o nome de Valentim. Dessa forma, é provável que o boato não seja verídico. No entanto, a mensagem passada é importante e, por esse motivo, vale a pena ler:

Valentin Tramontina, de fato, foi um imigrante italiano que veio para o Brasil no século XIX. Nessa época, a grande maioria dos imigrantes europeus que vinham para o nosso país tinha o objetivo de conseguir terras e, assim, ter uma maior prosperidade financeira para si e para a sua família.

Nessa história, no entanto, a realidade foi outra para Valentim Tramontina. Ao chegar no Brasil, ficou em uma pequena vila no estado do Rio Grande do Sul, a qual viria se chamar Carlos Barbosa pouco tempo depois. Não encontrou por aqui muitas oportunidades boas. Sem terra e com pouca experiência, Valentim Tramontina batia de porta em porta a procura de um emprego para sustentar a si e também a sua família.

O problema, no entanto, é que o homem não possuía muitas qualificações, o que era um empecilho para conseguir um serviço. O que sobrou, então, foi ser porteiro de um prostíbulo da cidade, tendo em vista que o antigo funcionário havia falecido. Não era o emprego dos sonhos de Valentim ao decidir-se em vir para a América do Sul, mas era o que tinha.

Os anos foram passando e Valentim continuou em seu posto. Além de trabalhar como porteiro, era como um “faz tudo” para o prostíbulo, arrumando camas quebradas, cadeiras, e tudo mais que precisava. O seu chefe gostava bastante dos seus serviços, o que dava uma estabilidade e até uma boa renda para o porteiro.

Mas poucos anos depois foi quando as reviravoltas começaram: outro prostíbulo abriu na cidade e começou a competir com o que Valentim era porteiro. Isso afetou bastante os lucros de seu chefe, principalmente por ser uma pequena cidade.

Com o objetivo de acelerar os seus lucros e novamente ser a referência, o dono do prostíbulo resolver mudar o seu jeito de fazer negócios: agora teria controle dos seus clientes e faria todo um novo trabalho para aumentar a sua renda. Nesse momento, em uma reunião para que as coisas pudessem ser definidas, o chefe de Valentim pede para que ele comece a anotar todos que entrarem no estabelecimento, com nome e documentos.

Boato sobre a História do Dono da Tramontina
Boato sobre a História do Dono da Tramontina

Foi nesta hora que as coisas começaram a dar errado: Valentim não teve tempo de aprender a ler ou escrever, e era um analfabeto. Dessa forma, apesar de querer manter o seu emprego, não poderia exercer esse trabalho que o chefe lhe pedira. Desapontado, mas decidido, o dono do prostíbulo foi obrigado a demitir Tramontina. Como gostava do seu funcionário, lhe ofereceu uma indenização, para que conseguisse viver até arrumar outra forma de renda.

Valentim Tramontina não sabia o que fazer: tinha sido porteiro por todos os anos que estava no Brasil, e não sabia fazer outra coisa. Foi quando teve uma ideia: quando era porteiro do prostíbulo, sempre consertava as coisas que quebravam, desde pias até camas.

Dessa forma, poderia fazer esses serviços para os moradores da cidade. O problema, no entanto, é que ele não possuía ferramentas, e a loja mais próxima ficada a um dia e meio de viagem. Sem outra opção, no entanto, Valentim Tramontina decidiu gastar uma boa parte do seu dinheiro em suprimentos para a viagem e para comprar uma caixa de ferramentas.

Foi, e quando voltou passou a bater nas casas oferecendo os seus trabalhos. Até conseguira algumas coisas, mas não era o suficiente para sustentar a sua casa. Algum tempo depois, um vizinho bateu a sua porta pedindo o martelo emprestado, tendo em vista que o seu havia estragado.

Valentim o emprestou. No outro dia, o mesmo vizinho bateu a porta novamente. Ao invés de entregar a ferramenta, ofereceu uma quantia de dinheiro pelo martelo: precisava da ferramenta para trabalhar, mas não tinha tempo para fazer a viagem. Valentim ficou tentando, mas não vendeu a ferramenta, tendo em vista que era o que garantia a sua renda.

Decidido, o vizinho então fez uma proposta para Valentim: daria um dinheiro para a sua viagem, mais o dinheiro do martelo e mais uma quantia pelos serviços. Dessa forma, Tramontina teria um dinheiro compraria a ferramenta para o vizinho.

Valentim aceitou, e disse que iria já no próximo dia. Ao amanhecer, no entanto, outro vizinho perguntou se também poderia comprar ferramentas para ele, dando o dinheiro para o produto. E foi nesse momento que a mente empreendedora de Valentim Tramontina começou a valer.

Ao invés de comprar apenas o que foi encomendado, se arriscou, pegou as suas economias e comprou algumas caixas de ferramentas, com o intuito de vende-las pela cidade.

E deu certo! Em pouco tempo Valentim vendeu tudo que havia comprado, ganhando uma boa margem de lucro. Começou a fazer viagens periódicas, e montou na cidade uma loja de ferramentas com o seu sobrenome: Tramontina.

Pensando em como poderia expandir ainda mais os seus negócios, Valentin Tramontina fizera uma prosposta a um amigo ferreiro da outra cidade. Dessa forma, os dois passaram a produzir as ferramentas, ganhando lucros ainda maiores. Com o passar do tempo, a esposa de Valentim Tramontina continuou os negócios (depois do falecimento do empresário), investindo sempre em tecnologia, passando a produzir os mais variados tipos de ferramentas, utensílios de ferro, dentre outros!

Pouco tempo antes de falecer, Valentim ainda construiu uma escola em Carlos Barbosa com os lucros de sua empresa. Na cerimônia de inauguração, o prefeito pediu para que assinasse o documento, mas o empresário ainda era analfabeto. Surpreso, o prefeito perguntou: Como construiu toda essa empresa sem saber ler nem escrever?

Sempre bem-humorado, Tramontina respondeu: Se eu fosse alfabetizado, provavelmente ainda seria porteiro do prostíbulo.

 

Moral da História do Dono da Tramontina

Como falado anteriormente, não se sabe sobre a veracidade dessa história. No entanto, é possível tirar um ensinamento valioso dela: as mudanças às vezes são necessárias. Nem sempre conseguimos ver isso naquele momento, mas depois percebemos que mudar é necessário, para que possamos alcançar o crescimento em nossas vidas.

Moral da História do Dono da Tramontina
Moral da História do Dono da Tramontina

Além disso, como Valentim fez ao investir nas ferramentas, devemos nos arriscar se quisermos realmente sairmos do nosso estado atual. Se ficarmos parados, nada vai melhorar!

Atualmente, a Tramontina é uma das maiores empresas de todo Brasil. A história acima provavelmente não é verídica, mas a companhia realmente foi fundada em uma pequena cidade do Rio Grande do Sul, por um imigrante italiano chamado Valentim Tramontina. Começou como uma pequena loja de ferramentas e hoje é conhecida em todo o país!

 

Leave a Reply: